terça-feira, 25 de janeiro de 2011

a desilusão de um quase.

As pessoas dizem amar, dizem sofrer, dizem chorar, dizem sorrir, dizem tantas coisas que ao final dos dizeres nem sabem ao certo se tem certeza do que dizem. Mas para que existe "a dúvida" ? Pra que existe "o quase" ? Os seres humanos, como diz o Luís Fernando Veríssimo: "Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou" Ele diz isso com uma certa convicção de que o quase não é tão ruim, pois nos possibilita a aprender que chances e força de vontade podem existir nas nossas vidas, mas se as coisas fossem óbvias não haveriam tantos sofredores, tantos traídos, desiludidos, mornos. Quão interessante seria se todos parassem de apenas sussurrar o BOM DIA e gritasse, desejando ao mundo todo um BOM DIA verdadeiro. Virtude, o que seria da virtude se o quase fosse sempre ? Graças a Deus ainda existe aqueles que se expressam com a certeza de que o que estão dizendo será incapaz de ferir qualquer ser a sua volta.

6 comentários:

  1. É verdade, se houvesse o óbvio não haveria o porque de lutar para conseguir aquilo que se almeja. Lindo texto jejeu!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a citação e a tua escrita flor! :*

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir